Negocios

Suspeito de decapitar massagista em Matosinhos foi detido na Grécia

O caso começou com a descoberta de uma cabeça na praia de Leça da Palmeira, a três quilómetros de Matosinhos. Um pormenor macabro chamou a atenção dos investigadores: de acordo com os resultados dos primeiros exames forenses, a cabeça tinha sido cortada de um só golpe e com a vítima ainda viva. Depois de uma investigação “intensa” a polícia conseguiu identificar a mulher: tratava-se de uma tailandesa, ex-empregada de uma casa de massagens em Matosinhos, que estava em portugal há relativamente pouco tempo.

Um mês depois do achado, a PJ do Porto deteve uma mulher, também tailandesa, ex-patroa da vítima, pelo crime de homicídio e profanação de cadáver. A detida tem 52 anos, não tinha qualquer antecedente criminal e na origem do crime estava “existência de uma dívida da arguida à vítima que esta insistia em ver saldada”, explica a PJ em comunicado.

O crime foi cometido em março deste ano mas só agora a PJ fechou o caso: ontem, na Grécia, foi preso o marido da primeira suspeita. É um homem paquistanês que foi detido pela polícia grega há duas semanas quando tentava entrar na Turquia. Também não tem antecedentes criminais e terá sido ele a desferir o golpe que decapitou a massagista. De acordo com a PJ, “o detido, que se ausentou do país logo que foi noticiado o aparecimento da cabeça, é um cidadão paquistanês de 32 anos, sem actividade profissional conhecida, e vai ser presente à Autoridade Judiciária competente para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas”.

O corpo da vítima nunca foi encontrado. E a arma do crime também não.